História

Bairro do Espinheiro, Recife. O ano era 1983. Na rua Manoel de Carvalho, pertinho do Clube Náutico, as casas ainda eram maioria. Mais de três décadas atrás, antes da explosão imobiliária ocorrida na cidade nos últimos tempos, o lugar guardava um certo ar provinciano.

Em uma das maiores casas da rua morava o ex-funcionário do Banco do Nordeste Paulo Cunha, recém aposentado e disposto a colocar em prática um antigo sonho: abrir um restaurante. Em pouco tempo, o ex-bancário, casado e pai de cinco filhos, tornou-se empresário.

Foi assim que tudo começou. Dentro da própria casa, Paulo fundou a Pizzaria Candelabro – ainda com um “l” só no nome – no dia 7 de setembro daquele ano. Com uma equipe afinada, incluindo um pizzaiolo especializado em forno a lenha, foi seguindo em frente, passo-a-passo.

A pizzaria, que passou a servir outros pratos além das tradicionais massas, tornou-se ponto de encontro de amigos, vizinhos e familiares do proprietário. Unindo simpatia, atenção e um produto de qualidade, a clientela foi sendo conquistada pouco a pouco. Para Paulo, a satisfação de cada cliente sempre esteve à frente do retorno financeiro. A Candellabro, hoje com o “l” duplo, é a realização de um projeto de vida.

O tempo foi passando e a pizzaria crescendo. A rua, antes tranquila, tornou-se movimentada e cheia de edifícios, com poucas vagas para estacionar. A solução foi encontrar outro ponto que oferecesse mais conforto aos clientes. Assim, a Candellabro entrou em uma nova fase: começou a funcionar na Estrada do Arraial, no bairro da Tamarineira, em frente ao Sítio da Trindade.

Ao mesmo tempo, Paulo decidiu diminuir o ritmo de trabalho e passou o comando da pizzaria para outros sócios. Mas tudo continuou em família. Assumiram o negócio um dos genros, um sobrinho e o filho Paulo Ricardo, que esteve na sociedade até novembro de 2015 e faleceu em janeiro de 2016. O legado de amor deixado por ele, um homem com um coração imenso, estará para sempre na memória de cada um que o conheceu.

A Candellabro é o resultado de tudo isso, de toda essa história tão rica. É uma das pizzarias mais tradicionais do Recife, uma das poucas que continuam em funcionamento desde o início dos anos 80. O clima informal, a atenção dedicada aos clientes e a qualidade permanecem até hoje, como sempre foi.